27 de dez de 2010

No Limite


Que todos os sonhos que tive

Possam me guiar pela vida

E que todas as chuvas de amor

Possam me molhar pelo caminho.


Que todos os beijos dados

Possam nos alimentar a alma

E que o corpo não padeça

Sobre a saudade da pele.


Que todos os olhares trocados

Possam nos reviver da saudade

E que o tempo passe depressa

Com pressa à envelhecer.


Que o amor que de ti carrego

Possa ser uma constante espera

E que a dor que trago

Não ultrapasse o limite da vida.


Que as lagrimas perdidas

Possam lavar a rosto beijado

E que o infinito desejado

Devolva-me a vontade de viver.

2 comentários:

Yone Piras Leite da Silva disse...

Poesia linda mas... perder a vontade de viver, não não não não não, jamais!
Feliz Ano Novo amigo, que 2011 te abrace amorosamente e com alegria!
Namastê!

disse...

Adorei sua poesia!